BvS: Ultimate Edition // Espaço Sommelier

Aviso de antemão: vou escrever. E muito.
E vai ter spoiler, apesar de que acredito que todos que acompanham este site já viram e reviram.

Batman V Superman – A Origem da Justiça estreou sob opiniões divididas: alguns gostaram muito. Outros detestaram. Eu fiz parte da metade que detestou o filme – e ainda fazia até hoje, dia 13/07, dia este em que assisti a versão Ultimate lançada pela Warner Brothers, há algum tempo atrás. Veja bem, nunca disse que gostei do filme. Mas, pelo menos, o ultimato tornou-o “assistível”. E vou lhes dizer o porquê.

PS: Descobri qual o maior vilão da carreira super heroica de Ben Affleck no cinema.

Leia mais »

Anúncios

Os Monkees que não são do ártico

Essa banda talvez seja o maior exercício de produção que tenhamos em mãos. Nos animados anos 60 foram reunidos 4 jovens de diversas vertentes da música americana para criar um grupo que pudesse rivalizar com os Beatles (!!). Então a NBC pegou Mike Nesmith (um músico ligado em country/folk music e excelente compositor), Peter Tork (o homem dos mil instrumentos), Micky Dolenz e Davy Jones, um ator com passagem pela Broadway, e formou The Monkees.

O programa ficou de setembro de 1966 a março de 1968 no ar, ganhou um Emmy e diversas repetições nas manhãs de sábado americanas, além de prender na cabeça das pessoas músicas chiclete o suficiente para virarem trilha sonora da animação Shrek (um cover de I’m a Believer feito pela banda Smashmouth, mas ainda tá valendo). Eis que, depois de 20 anos sem lançar nenhum material novo, os três membros ainda vivos do grupo (Jones morreu em 2012) anunciaram o lançamento de um álbum acompanhado de uma turnê de aniversario pelos 50 anos do grupo. E “Good Times!” (2016) é uma B E L E Z A.

the-monkees-good-times-cover-art-final-1200x1200Leia mais »

Geração Estrelinha Apagada

Olá, amigos desse magnífico mundo da internet. Como vão? Tudo bem? Não?

Pois é, junte-se ao clube. Eu também não estou lá bem da cabeça. E quando eu não estou bem da cabeça, eu preciso deixar os pensamentos que envenenam meus neurônios e que ficam batendo contra as paredes do meu crânio saírem, seja por gritos ou por texto. Pra felicidade geral do meu prédio, desta vez eu vou escrever qual é o meu dilema, que, acredito eu, seja algo bem comum para muita gente.

Leia mais »

30 anos de O Cavaleiro das Trevas

Neste exato mês, há 30 anos atrás, foi lançado o primeiro capítulo da minha HQ preferida. Tenho vários motivos para que ela seja a minha preferida: o personagem principal, o escritor, a época, a ligação entre a leitura e meu pai… Independente do motivo, é um dos quadrinhos mais importantes da história e merece a atenção de todos, desde os iniciantes até os velhos lobos solitários que colecionam capas diversas. Em março de 1986 foi lançado “O Cavaleiro das Trevas”, escrita e desenhada por Frank Miller, e hoje nós vamos comemorar.Leia mais »

A Não-tão-forte Aliança do Crime // Espaço Sommelier

Um dia desses, lá estava eu de bobeira na sala de casa e fui acessar o programa de vídeo On Demand da NET. No “cardápio”, tinha Aliança do Crime (Black Mass, 2015), o tão comentado filme que traria uma atuação sóbria de Johnny Depp, bem diferente de suas muitas outras tão caricatas (não podemos esquecer de Inimigos Públicos, onde ele também interpreta um gângster americano). Fiquei no hype, aluguei e assisti. E pela primeira vez, a meu ver, Johnny Depp salva um filme depois de muito tempo afundando-os. De resto, porém…

ESTE TEXTO ESTÁ LIVRE DE SPOILERS.

Leia mais »

Graphic MSP: uma nova visão da Turma da Mônica

Uma das coisas que eu mais gostava de fazer quando era criança era ler os gibis da Turma da Mônica. Minha mãe tinha uma amiga que trabalhava numa banca de jornal perto da minha casa e, enquanto elas conversavam, eu ficava no chão lendo várias historinhas do pessoal do Bairro do Limoeiro. Os meus favoritos eram os da Mônica e os da Magali, nunca soube bem o porquê, coisa de criança. Você se lembra dos Almanacões? Esses eram os de dar água na boca e me lembro de ficar perturbando a minha mãe para levar um para mim. Mas o tempo passou, eu cresci e a Turma da Mônica, com o Cebolinha e sua língua plesa, o Cascão e o medo de água, a Magali e sua melancia, todos foram ficando para trás, guardados em algum canto da memória recheado de carinho e nostalgia. Isso, contudo, mudou de uns tempos para cá. Mônica e sua turminha ganharam a atenção dos adultos ao se relançarem em um mundo bem similar ao seu: o mundo das HQ’s, onde assumiram uma dianteira moderna com personagens que todos já conheciam.Leia mais »